menu

Feb 20, 2017

Resenha Crônicas de Myríade

E aí pessoal, hoje vou trazer uma postagem dos livros da minha querida autora Karen Soarele, vai ser uma postagem bem extensa, então decidi posta-la em três partes.
A primeira vai ser uma resenha normal sem spoilers, a segunda vai ter uma análise mais detalhada contendo informações dos livros e da wiki oficial, a terceira vai ser uma postagem especial que será uma surpresa.
Vamos a resenha.


Título: Línguas de fogo.
Série: Crônicas de Myríade – vol 1
Autora: Karen Soarele.
Ano: 2012.
Sinopse oficial: “Aisling é uma camponesa que vive numa área remota de Vulcannus, o reino mais poderoso de Myríade. Entretanto um acontecimento vem para mudar completamente a sua vida – seu melhor amigo. Dharon, é ferido em batalha enquanto tentava protegê-la, e a única chance que ela tem de salvá-lo é deixar para tras tudo o que conhece e atravessar a fronteira até o território inimigo, onde pode encontrar o antídoto para o veneno que o consome. Em sua jornada. Aisling se defrontará com diversos perigos, descobrirá que toda história possui mais de um ponto de vista e aprenderá que nas amizades verdadeiras está a força para seguir pelo caminho correto. Até onde você iria para salvar um amigo? Línguas de Fogo é uma história de desafios, amadurecimento e sobretudo, amizade.”
Na capa podemos ver Dharon e Aisling enfrentando a grande jornada em busca do antídoto para o veneno que aflige Dharon.
Faz bastante tempo que eu estava querendo ler este livro e durante as férias deste ano eu tive essa oportunidade.A história do livro é bem interessante, cheia de mistérios que te prendem do começo ao fim, eu particularmente adorei os livros da série, a leitura é bem fácil e dinâmica. Os personagens são bens construídos e cativantes, até mesmo os personagens secundários, confesso que no começo da história eu não gostava da personagem Aisling, mas ao ver o seu amadurecimento durante o desenrolar da trama me cativou e eu acabei gostando dela.

O universo de Myríade em si é fascinante, possuindo cinco reinos, cada um com a sua diversidade de povos, costumes, lendas e valores. O reino não é habitado apenas por humanos, mas também por seres mágicos, elementais quase humanos. O fato de cada reino ter a magia de um determinado elemento (Ar, Terra, Fogo e Água) e os magos usarem essa magia para lutar me lembrou muito o desenho animado Avatar: The last Airbender. 

Feb 18, 2017

Resenha - The Kiss of Deception, de Mary E. Pearson

      Oi gente, pensei muito antes de fazer essa resenha, mas no fundo eu gostei do livro, sim, eu gostei. Depois de meses só lendo clássicos eu tentei um best seller. The Kiss of Deception foi o primeiro livro que comprei da Darkside Books, eu sou apaixonada pelo disign da editora, e já quero os livros do medo clássico.
      Não é uma narrativa cansativa, pois os capitulos são curtos e divididos de acordo com os pontos de vista dos personagens principais, ou seja, em primeira pessoa. Além disso alguns capítulos são intitulados como príncipe ou assassino e outros com o nome desses personagens, eu não sei se foi só eu, mas eu acabei confundindo os dois e fiquei decepcionada quando descobri quem era o assassino e quem era  o principe e pior por qual deles ela (e eu) se apaixonou. E o ultimo capitulo é um dos melhores.
      Vi pessoas dizendo que não viram nada de fantasia no livro, porém o livro é de fantasia sim, mas a autora poderia ter descrito melhor o mundo que criou, pois geralmente o primeiro livro é de apresentação, mas eu adorei o lugar que Lia e Pauline vão morar.
      Sobre os esteriótipos que a autora transportou para o livro, o feminismo poderia ter sido mais trabalhado, ir além da rebeldia de Lia, mas no geral, há muitas questões que podemos conversar. Fiquei curiosa sobre a guerra que também foi deixada de lado, para dar espaço ao romance, acho que se eles estivessem lutando e juntos, eu teria gostado mais.
      Bom, pra finalizar, a decepção não foi tanta ao ponto de me fazer descartar o segundo, eu tô louca pelo segundo, gente, eu preciso saber o que vai acontecer. A última página mata o leitor de curiosidade.